Uma planta tradicional, o Bambu faz parte da cultura de vários povos, sendo usado na construção civil, como alimento para diversos animais, biomassa para a produção de energia, artesanato, etc. Além disso, a planta fornece proteção contra ventos e chuvas, com efeito paisagístico.

No Brasil, são cultivados vários tipos de Bambus, incluindo Bambu-caipira(Bambusa tuldoides), bambu-gigante-verde (B. vulgaris) e bambu-brasil, ou bambu-gigante-verde-e-amarelo (B. vulgaris var. vittata), foram trazidos para cá pelos portugueses. Da Ásia, sobretudo China e Índia, vieram também obambu-gigante (Dendrocalamus giganteus e asper) e a cana-da-índia, ou bambu-mirim (Phillostachys aurea). Espécies como o mossô (P. edulis, ou pubescens) e o hachiku (P. nigra henonis), além de mudas dos gêneros Sasa, Pleioblastus e Pseudosasa, chegaram ao país pelos imigrantes japoneses.

Os bambus se desenvolvem bem em qualquer tipo de solo, menos os encharcados. Um hectare já é o suficiente para ter boas mudas e com cerca de 3 anos já pode ser colhido. O indicado é procurar um agrônomo da região para definir qual será a data de início da produção.

Os bambus gostam de terrenos arenosos e drenados de encostas. Solos pobres devem receber adubação adequada. O bambu deve ser colhido com cerca de 3 anos e armazenado em local seco e coberto. A colheita deve ser feita nos meses secos, entre maio e agosto.